“Não faz sentido agir por impulso ou açodamento”, escreveu Prates após cobrança de Silveira

Foto: Reprodução da Internet

Dois dias depois de o ministro de Minas e Energia (MME), Alexandre Silveirater cobrado redução no preços dos combustíveis da Petrobras, o presidente da estatal, Jean Paul Prates, subiu o tom.

Em uma rede social, Prates disse que, se o MME quiser “orientar a Petrobras a baixar os preços de combustíveis diretamente” , será necessário seguir tanto a Lei das Estatais e as regras do Estatuto Social da companhia.

Ele chega a citar alguns dos artigos do estatuto da Petrobras, como “ a União deverá orientar formalmente a Petrobras por meio de um ato normativo (lei ou regulamento)” e “deverá firmar contrato, convênio ou outro ajuste estabelecendo as condições em que se dará, com ampla publicidade”, entre outros.

Numa sequência de cinco posts, Prates afirma que “a Petrobras merece uma gestão verdadeiramente preocupada com seu futuro”. “Não faz sentido agir por impulso ou açodamento”, escreveu Prates na rede social.

Fonte: O Globo

Nélio Wanderley

Nélio Wanderley

CEO da Posto Seguro Brasil e sócio da Nortear Energy empresas de Consultoria e de Assessoria ao mercado de combustíveis Graduado em Administração e Gestão Comercial, Pós-graduado em Marketing, Pós-graduando em Gestão Pessoas e Comportamento Organizacional. Experiência profissional de mais de 30 anos na área Comercial, Gestão de Novos negócios (desenvolvimento de carteiras nas Distribuidoras de Petróleo), Gestão de Projetos, Gestão de Lubrificantes e Gestão de Rede de Postos, com carreira desenvolvida em empresas como: ATLANTIC, IPIRANGA e ALESAT.

Deixe uma resposta